segunda-feira, 11 de julho de 2016

VIVA PORTUGAL!



A ver e haver. Ontem estive a ver Portugal jogar, hoje vou julgar o que vi. Ver é olhar, algo que se faz de fora. O haver desse olhar é absorver, sentir, ter de dentro. Estar a ver tem um haver imediato, depois há o haver mediato. Entre os dois (,) medeia o tempo da ideia ou das ideias.

Ao ver o jogo posso dizer o que senti, ao pensar sobre o jogo posso dizer o que penso. Viajo no tempo, vou ao que vi e começo a pensar o que pensei, começo a ver mais do que aquilo que vi. São assim as vivências, acumulam experiência.

Não gostei de muito que vi, começou o jogo uma equipe intimidada, nervosa, inquieta. Mas, resistente e resiliente. Foi ganhando alento e transmitiu essa resistência e coragem, até intimidar e derrotar o adversário.

Foi o que vi e é o que penso, posso e devo rever o jogo. Com certeza isso virá a acontecer, uma coisa é certa, cada vez mais irei passar do estar a ver para o haver do que vi. Vou absorver melhor essa experiência, vou ter um maior respeito e admiração pelos vencedores.

À seleção, o meu bem-haja e Parabéns! Parabéns de nós todos: 
Viva Portugal!

quinta-feira, 2 de junho de 2016

PARCELA TOTAL


Dedicado a quem ainda visita este blog e deixa comentários, diálogo poético de Assim e Mim:

TODAS AS PARCELAS

diz-me o que sabes e o que não sabes
eu ando à procura da verdade
como se fora filósofo

ando pela poesia sem pressa
a julgar pelos resultados

espero obter no resto todas as parcelas
Assim

PARCELAS TOTAIS

teus versos falam a meus sentidos
com um sentimento novo
feito de revelações

mas é o seu sentido
que me encanta

como o canto canta feito espanto!
Mim
01.06.2016

domingo, 13 de março de 2016

+ uma página


PARA UM DIA QUE COMEÇA E NÃO ACABA
(este é o final

de um poema

que declamei

a sonhar e

é Assim)



eu

um ateu

convicto partilho

os teus, os meus, os nossos

ideais: os teus, os meus,

os nosso, todos

os ideais!

é demais

disse

Assim



[este aparte

é como se fosse

um outro poema

(à parte)]



este é o poema

de um heterónimo

que inventei um dia

e ainda hoje em dia

existe



(é tudo

e não foi

pouco

…)



sabem

porque também

disse isto?

sim, não ou quem dera




disse



[(aberto…)

um último

e final

parêntesis]



(posso ser indiscreto

e fazer uma pergunta

que exclui todas as

outras: quem, daqui…

é ateu?)



pela última vez,

disse!



quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

+ UMA VEZ



Diário III

Desisto deste blog  que desconfigura as publicações, só serve para perder tempo. E ter a presença e intromissão da Google:

«

O Blogger utiliza cookies para lembrar-se de não monitorizar as suas visualizações de páginas.

»