quarta-feira, 22 de junho de 2011

Versos dum fado

«A minha canção é verde, verde,
mas porque é verde não sei»

Oiço este versos dum fado e sem enfado começo, esta prosa que começada continua. Deixo-a seguir seu fado, enquanto Fado vou ouvindo. E é a canção da língua, cantada na ponta da língua, por quem a sabe cantar. Penso voltar ao que ontem escrevi, para passar uns versos, deixando do dia que passou um dia que ficou. Antes disso é ainda isto, o silêncio que fica quando ficamos em silêncio…

CAPOTE RODANDO

aquilo que digo quando penso
poder dar-te do sentimento arte,
è capote rodando em mão toureira,
ensaiando a dança ao movimento

uma última verónica,
no limiar onde a imaginação
perpetrando o número… é faena

3 comentários:

  1. Gostei bastante do Blog.
    Muito interessante !

    É bom ver a cada dia que passa mais originalidade nessa "blogosfera". :)

    Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir..;
    http://bolgdoano.blogspot.com/

    Muito Obrigada, desde já !

    ResponderEliminar
  2. Belo Poeta, os últimos suspiros, as últimas vontades.É a vida na arena onde os versos bailam iguais as capas dos toureiros e os movimentos dos touros.
    Eu tenho encanto pelas touradas,sinto ter um perdedor.Deveria ser só um espetaculo traduzindo a seduçao e coragem. Aplausos!
    Beijos no coração!

    ResponderEliminar

Os comentários que receber serão pessoais, para receber resposta pessoal. Só divulgarei se contiverem esse pedido, justificando o seu motivo. O meu motivo é este, transformar a comunicação numa intenção íntima e (bem) pessoal.