sábado, 23 de julho de 2011

ARTE DE NÓS

Está feita a dedicatória. A informação dos dados brutos, não sendo filtrada, mostra apenas, é amostra: funciona como montra. Geralmente olhamos de fora as coisas, mesmo as obras com que nos envolvemos o suficiente para as ler... Chegando ao fim, arrumamos e rumamos a outra, vamos a uma próxima? Não, procuramos a vida, na obra.

Investir a vida numa obra, lê-la, estudá-la, senti-la, amá-la, aprender a_prender e a libertar a obra como parte de nós. Isto levou-me a tentar implicar na dedicatória uma história onde um nome é assinalado por um ponto assinado, assinalado... localizando um ponto para nós, tu e eu ou outro, a quem digo: Este é o livro (!)

Do meigo nomear: Tesouro, passando a ver o Touro no que és, é um estouro! São as mais variadas possibilidades do (o)vário, um desvario. Com isso, acredito ser possível dar corpo ao que vive da ternura à fúria, do carinho à luta, à meiguice e amor.

T(es)ouro…

X
Este é o livro

2 comentários:

  1. Vitrine viva da arte tomando formas reais de sentimentos vários.Lindo! Beijos no coração!

    ResponderEliminar

Os comentários que receber serão pessoais, para receber resposta pessoal. Só divulgarei se contiverem esse pedido, justificando o seu motivo. O meu motivo é este, transformar a comunicação numa intenção íntima e (bem) pessoal.